07/02/2014

Açaí


Açaí na Amazônia




De acordo com o folclore brasileiro, existia uma tribo indígena muito numerosa. Como os alimentos estavam escassos, era difícil conseguir comida para toda a tribo. Então, o cacique Itaki tomou uma decisão muito cruel. Resolveu que, a partir daquele dia, todas as crianças recém-nascidas seriam sacrificadas para evitar o aumento populacional daquela tribo da floresta.



Até que um dia a filha do cacique, chamada Iaçá, deu à luz uma menina que também teve de ser sacrificada. Iaçá ficou desesperada, chorava todas as noites de saudades. Ficando vários dias enclausurada em sua oca e pediu a Tupã que mostrasse ao seu pai outra maneira de ajudar seu povo, sem o sacrifício das crianças.



Certa noite de lua, Iaçá ouviu um choro de criança. Aproximou-se da porta de sua oca e viu sua filhinha sorridente, ao pé de uma grande palmeira. Lançou-se em direção à filha, abraçando-a. Porém, misteriosamente, sua filha desapareceu.



Iaçá, inconsolável, chorou muito até morrer. No dia seguinte, seu corpo foi encontrado abraçado ao tronco da palmeira. Porém, no rosto, trazia, ainda, um sorriso de felicidade. Seus olhos estavam em direção ao alto da palmeira, que se encontrava carregada de frutinhos escuros.

Itaki, então, mandou que apanhassem os frutos, obtendo um vinho avermelhado que batizou de Açaí ("Iaçá" invertido ), em homenagem a sua filha . Alimentou seu povo e, a partir deste dia, suspendeu a ordem de sacrificar as crianças.


O açaí é um alimento muito importante na dieta dos nortistas do Brasil. Hoje em dia, é cultivado não só na Região Amazônica, mas em diversos outros estados brasileiros, sendo introduzido no resto do mercado nacional durante os anos oitenta e noventa. O estado do Amazonas e Pará, no Brasil, são os maiores produtores da fruta, sendo juntos, responsáveis por mais de 85% da produção mundial. O açaí é considerado, por muitos, uma iguaria exótica, sendo apreciada em várias regiões do Brasil e do mundo.





O açaizeiro é semelhante à palmeira-juçara da Mata Atlântica, diferenciando-se porque cada planta de juçara tem somente um caule mas os açaís crescem em touceiras de 4 a 8 (troncos de palmeira) cada um de 12 m de altura e 14 cm de diâmetro e podendo chegar até uns 20 metros.

O açaí é muito consumido como suco ou pirão e cujo gomo terminal constitui o palmito. Assim, pode ser consumido na forma de bebidas funcionais, doces, geleias e sorvetes. O fruto é colhido por trabalhadores que sobem nas palmeiras com auxílio de um trançado de folhas amarrado aos pés.

Para ser consumido, o açaí deve ser primeiramente despolpado em máquina própria ou amassado manualmente (depois de ficar de molho na água), para que a polpa se solte, e misturada com água, se transforme em um suco grosso também conhecido como vinho do açaí.





Na Amazônia, o açaí é consumido tradicionalmente junto com farinha de mandioca ou tapioca geralmente gelado. Há quem prefira fazer um pirão com farinha e comer junto com peixe assado ou camarão, ou mesmo os que preferem o suco com açúcar.

Além do uso de seus frutos como alimento ou bebida, o açaizeiro tem outros usos comerciais. As folhas podem ser feitas em chapéus, esteiras, cestos, vassouras de palha e telhado para casas, e madeira do tronco, resistentes a pragas, para construção civil. Os troncos da árvore podem ser processados para produzir minerais. O palmito é amplamente explorado como uma iguaria, e as sementes limpas são muito utilizadas para o artesanato.

Nas demais regiões do Brasil, o açaí é preparado da polpa congelada batida com xarope de guaraná , gerando uma pasta parecida com um sorvete, ocasionalmente adicionando frutas e cereais. Conhecido como açaí na tigela, é um alimento muito apreciado por frequentadores de academias e desportistas, já que as propriedades estimulantes presentes no fruto são semelhantes às encontradas no café ou em bebidas energéticas.



" O açaí tem um grande valor nutricional, sobretudo pelos seus antioxidantes, segundo a nutricionista Karin Honorato. Ela destaca os benefícios da fruta, produzida na Região Norte do Brasil.

De acordo com a nutricionista, as antocianidinas, presentes no açaí, ajudam aprevenir o envelhecimento das células e dos órgãos. “Por isso é que o poder do açaí é dez vezes mais protetor do que o da própria uva”, destaca.





O açaí é também, segundo Karin, rico em vitamina E, cálcio, magnésio e potássio. A nutricionista revela que a fruta ajuda a diminuir os níveis de colesterol, e diminuir o risco de doenças cardiovasculares.

A úlcera e o câncer de estômago também podem ser prevenidos pelo consumo de açaí, como informa Karin Honorato.

Ela mostra ainda que o consumo de açaí em excesso pode trazer problemas para o organismo. “O problema é que o açaí é adoçado com xarope de guaraná, o que aumenta ainda mais o valor calórico desse alimento”.

Por fim, Karin pede cautela no momento da escolha dos complementos. “Cuidado para não aumentar tanto o valor calórico do açaí a ponto de ter que consumir menos. Faça uma boa escolha, consuma com moderação e não deixe de aproveitar”, finaliza a nutricionista. "

O óleo extraído da sua polpa seca é rico em ômega 6, que protege a pele contra a desidratação, melhorando a produção de ceramidas (hidratantes naturais da própria pele). Por isso, é indicado para peles secas ou envelhecidas.



O suco de sua polpa e a casca fornecem antioxidantes do tipo antocianidinas, substâncias roxas encontradas no vinho tinto e que fazem dele um forte aliado da longevidade. Eles varrem os radicais livres que causam rugas, flacidez e manchas. "São capazes também de combater os radicais livres produzidos quando expomos os cabelos ao sol, às tinturas e aos alisamentos e permanentes, protegendo-os contra a destruição". Da iguaria ainda é possível extrair porções aromáticas para perfumar produtos de beleza.

Agora que conhece um pouco mais sobre o açaí, use e consuma com moderação. 

Fontes: silveira/ www.google.com.br/  http://pt.wikipedia.org/wiki/  http://g1.globo.com/ http://www.mangarosacosmeticos.com.br/
Vídeo: