10/01/2014

O Ovo e seus Riscos Cardiovasculares















Considerado fonte de proteína completa – por ter todos os aminoácidos essenciais – o ovo é uma excelente opção para os vegetarianos que, ao retirarem a carne da alimentação, perdem a principal fonte desse nutriente. "O alimento ainda é rico em ferro, fósforo, cálcio e vitaminas A, B6 e B12", afirma Eneida Ramos, nutricionista do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

O ferro, por exemplo, previne e combate algumas doenças, como a anemia. O fósforo e o cálcio trabalham em conjunto para manter a saúde dos ossos. "A vitamina A traz benefícios aos ossos e à visão. A B6 atua nos músculos e nos tecidos, enquanto que a B12 fortalece o sistema nervoso e contribui para a formação do sangue".

Por outro lado, imaginava-se que o ideal era incluir o alimento no cardápio apenas duas vezes por semana. Atualmente, os nutricionistas já admitem a presença do ovo quatro vezes por semana como prato principal ou como ingrediente de preparo. Mas atenção: o excesso dele pode elevar os níveis de colesterol e aumentar o risco de doenças cardiovasculares. A gema é a principal vilã, com cerca de 200 miligramas de colesterol. Mas a clara está isenta da gordura.

"Dessa forma, para alguns profissionais da saúde, o consumo deve ser controlado para aqueles indivíduos que têm colesterol elevado. Para esse grupo, é recomendado o consumo de dois ovos por semana. Uma boa opção para quem precisa controlar o nível de colesterol é usar nas receitas mais claras do que gemas; por exemplo, uma omelete de duas claras e uma gema.   A clara é muito rica em proteínas (albumina) de muito boa qualidade e vitamina B2. Graças á sua capacidade de incorporar ar quando batida e de aumentar de volume, torna maiores e mais fofos os purés, bolos e pudins. Sem claras não haveria os saborosos soufflês.

Existe porém, aquelas pessoas que devem consumir mais ovos do que outras. É o caso das crianças, que necessitam de porções maiores de proteína, cálcio e ferro, pois estão em fase de crescimento e desenvolvimento, e também os atletas, exceto aqueles com índice de colesterol elevado. O ovo para essa turma é um grande aliado.

"  Prefira ovos caipiras: estudo realizado pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, na década de 90, mostrou que os ovos de galinhas criadas soltas possuem cerca de quatro vezes mais vitamina A do que os ovos de granja. Além disso, não contêm resíduos de antibióticos e de outros produtos químicos, pois não recebem rações comerciais. "

Muito cuidado com a salmonela, que causa a salmonellose - doença caracterizada por febre, vômitos e diarréia. Dessa forma, elimine receitas como mousses, maioneses, coberturas e recheios de bolos que tenham ovos crus.

Cor da casca: não significa que no ovo de casca branca há mais ou menos nutrientes, do que no ovo de coloração diferente; identifica apenas a raça da galinha, verifique se a casca não tem rachaduras e se está limpa, áspera e fosca. Isso é sinal de qualidade.

Local fresco: o armazenamento dos ovos deve ser feito sob refrigeração e, de preferência, deve-se evitar colocá-lo na porta da geladeira, pois o abre-e-fecha da porta pode causar alterações na temperatura e comprometer a qualidade do produto.

Diante do que você acaba de ler, o que acha, qual é a sua opinião, você consome ovos assim, à vontade ?

Vamos saber a opinião de um médico Cardiologista e Nutrólogo, Dr. Lair Ribeiro.

Vejamos o vídeo:

Fontes: http://www.einstein.br/ silveira/ www.youtube.com


Vídeo: